Para Jana:

Lembra daquele dia no hamburguinho? Que eu tava com pressa e sem dinheiro?

A gente ia só passar no banco, mas acabamos na lojinha pra depois nos entupirmos de batata frita no delicioso hamburguinho.

Se eu forçar um pouquinho a memória posso sentir o sabor da maionese, do suco e lembro claramente que naquele dia fez sol.

Eu tava com muita pressa e quase me arrependi de ter feito tantas paradas gastronômicas e consumistas. Eu não tinha tempo e nós levamos um dia inteiro.

Lembro que a gente riu muito, falou muito, comeu e gastou.

A culpa foi grande aquele dia.

Me esforcei para lembrar o motivo da pressa ou da falta de dinheiro, mas o gosto do hamburguinho é mais forte na memória.

 

Acredito no poder da comunicação em massa na web, mesmo com movimentos pró censura. Blogs e redes sociais são a ferramenta que populariza desejos da população de massa, poder que antes era reservado aos grandes (e poucos) grupos de mídia.  A preocupação das empresas com a comunicação online aumentou muito nos últimos anos, também vemos o aumento de pautas inversas, ou seja, a grande mídia produzindo conteúdo a partir de interesses na massa presente na web. Isso mostra que a internet e as redes sociais são realidade de uma mídia colaborativa com o constante diálogo entre cliente, leitor e veículos. Isso tudo se resume a uma certeza: é preciso compreender a web, urgente.

 

PERSONALITY KIT

fevereiro 29, 2012

google imagens

google imagens

Agora ficou muito mais fácil ser quem você sempre desejou.

Chegou o Personality Kit!!!!!

Para agora mesmo com as citações de Clarice Lispector, com o Personality Kit o seu estilo alcança um nível de excelência!

Não perca tempo! Comece agora mesmo a realizar o sonho da popularidade!

Os Personality Kits contém tudo aquilo que você precisa para entrar no estilo. Nosso catálogo conta com mais de 100 personalidades diferentes a sua inteira disposição: de hipster a curtidor de balada sertaneja.

Com apenas um click você receberá roupas, acessórios além do um minucioso guia “Como pensar e agir”. Nossa linha de kits foi desenvolvida por especialistas e é sucesso garantido em qualquer lugar que você frequente (qualquer um dos mais de 200 sugeridos no manual “pensar e agir”).

E não é só isso!

Por apenas um singelo acréscimo você assina o nosso serviço Social Media Personality Kit, com ele você recebe atualizações diárias de suas redes sociais adequadas ao seu novo (e melhorado) estilo!!

Escolha até cinco redes diferentes e não se preocupe, nossos redatores estão em constante pesquisa de novos sites de relacionamentos para você exclamar aos amigos com orgulho: EU VI PRIMEIRO!!!

Adquira agora o Personality Kit e arrebente em todos os eventos sociais sem cometer nenhuma gafe! Nossos serviços também incluem atualizações sobre bandas, seriados, filmes, diretores e livros mais descolados para você ser o fã número um!

Nossa lista de clientes satisfeitos não para de crescer! Não espere, seja agora mesmo aquele vegetariano artístico, hipster descolado-sem-intenção e até mesmo o clássico universitário revolts! Trabalhamos com todas as áreas, posições religiosas e politicas!

Personality Kit, mudando com VOCÊ!

O Personality Kit não se responsabiliza por danos nem garantimos a sua personalidade de volta.

Diga: Vinte e Dois

novembro 30, 2011

Reprodução

Ok. Vinte e dois anos não é uma idade na qual as pessoas costumam se desesperar, olhar para trás e entrar em pânico percebendo que não conseguiram realizar muitas das coisas que sonhava, que imaginaram que fariam. Deixamos para pensar nisso quando chegarmos aos trinta e três

Mas aos vinte e dois anos você está no processo, está se encaminhando para os trinta e três (que inclusive chegará bem rápido, segundo todos aqueles que passaram pelo número…). Estamos tomando decisões que vão interferir e formar essa realidade trintetreriana.

É claro que não temos a obrigação de acertar as decisões tomadas. O legal da vida é sempre termos coragem pra recomeçar, decidirmos por algo mais atraente, desafiador. Mas se não damos um direcionamento mental na nossa vida, as coisas podem começar a desandar… A começar pelo seu psicológico!

Ter em mente o que você quer para a sua vida, ou, pelo menos, visualizar aquilo que quer alcançar já é um bom começo. A partir daí, é tomar decisões que te levem lá ou, pelo menos, te encaminhem.

Terminar uma etapa e partir para a próxima não é fácil, especialmente quando você sentiu a escola como seu porto seguro durante a vida toda. O que fazer? Pra onde ir? Ficar em sua cidade ou partir pra novos lugares? Acho que os questionamentos são inevitáveis. Mas podemos pensar que eles são exatamente isso: uma etapa. E vamos passar por ela de uma forma ou de outro, com acertos ou erros (provavelmente com os dois!).

Acho que agora, aos vinte e dois, a gente percebe que sair da zona de conforto é necessário, é duro, mas provavelmente recompensador. Sobre os meus sonhos, continuarei sonhando. Imagino que a vida não tem muita graça sem eles. Continuarei perseguindo-os. Quem sabe, quando chegar aos trinta e três, eu não possa olhar pra trás e ficar orgulhosa do que realizei?

.

tálula

março 18, 2011

por amanda

Ela estava descendo a rua de terra da favela segurando uma câmera na mão esquerda  e procurando pela pessoa que a levara até ali. Não conseguia lembrar quem era, mas sabia que precisava achá-la logo, para terminar a reportagem.

Resolveu entrevistar as pessoas sozinha e, seguindo a pauta, perguntou aos donos das lojinhas e barracos como tinham sido as vendas de final de ano e o que eles tinham feito com o lucro obtido.

Desceu mais a rua e achou uma loja grande, estilo Casas Bahia. À porta, duas moças muito parecidas e, mais atrás, um casal conversava atrás do caixa. Perguntou para as moças se podia entrevistá-las, o que as deixou empolgadas. A da direita se prontificou e começou a falar sobre as roupas e a chapinha que tinha comprado com a venda dos televisores. Levou a repórter para o fundo da loja, onde tinha uma lan house – para complementar a renda.

Descobriu o nome da moça: Tálula. Soava familiar, mas não sabia o motivo.

Enquanto conversavam, ouvia a família gritar na sala o sobrenome do rapaz pelo qual a repórter se interessava. Estavam brincando com ele, porque o time para o qual torcia estava perdendo. Como era possível ele estar ali?

Não teve tempo para descobrir, pois Tálula a puxou para o quarto e a deixou com seu pai, enquanto corria para sala.

Quando olhou pro lado, viu sua companheira de reportagem que sussurrou ao seu ouvido: – Amanda, vamos logo, pois hoje é aniversário da Tálula.

Perguntou para o pai se era verdade, ele disse que sim.

– Por favor, nos desculpe por atrapalhar esse dia tão especial.
– Você tá louca? A Tálula tá adorando! Ela vai aparecer na tv.

A repórter olhou para as mãos e viu no microfone o símbolo do SBT. Como era possível ele estar ali?

Pegou o notebook e deu um Google na Tálula. O Facebook confirmou: era aniversário da moça.

Apressou-se para terminar as gravações mas, antes que pudesse sair dali, o despertador tocou.

por Aline

Recentemente, nós, as garotas do Ouseudinheirodevolta, estávamos conversando sobre quantas coisas legais existem na internet e que somente graças a ela certos conteúdos podem ser veiculados.

Pare para pensar em quantos vídeos legais e “alternativos” você já assistiu pelo youtube e que, se não fosse por esse espaço, o autor jamais poderia ter levado seu trabalho a público. Graças ao Twitter, podemos acompanhar grandes manifestações populares, de ideias, de revoltas, de apoios, e muito mais, que não são veiculadas pela mídia tradicional. 

Graças aos blogs (como o nosso querido espaço nessa página) temos tanta oportunidade de manifestar ideias e opiniões quanto os colunistas e comentaristas que vemos nos jornais. É claro que cabe a você conquistar e manter seus leitores, mas a porta está aberta.

Sabemos que a liberdade de postagens na internet dá margem à reunião de muito conteúdo ruim, depreciativo, de mal gosto, de má qualidade. Mas o mundo digital também é plataforma para muita produção bacana, divertida, importante e inclusive, coisas de qualidade surpreendente. E é a isso que devemos nos atentar.

Pensando nessas coisas nós decidimos divulgar aqui no blog algumas dessas coisas legais que rolam no mundo virtual. Toda semana o “A internet vale a pena porque…” vai trazer uma dica interessante.

Para iniciar essas nossas postagens nós apresentamos um vídeo da cantora e compositora nova iorquina Julia Nunes. Não estranhe. A garota de 21 anos é nascida nos EUA mas seus avós são portugueses e o nome familiar aos nossos ouvidos vem daí. Ela ficou famosa na internet por interpretar músicas de outros artistas, mas com um toque particular.

Além de ter uma voz grave sensacional, Julia insere nas melodias seus próprios instrumentos, como o violão, a melódica (uma mistura de flauta com teclas de piano, como podemos ver na imagem acima) e o ukulele (um instrumento havaino que parece um violão e tem um som bem legal!).  Além da edição criativa, jeitos e trajeitos característicos e divertidos, a menina ainda consegue se reiventar nas produções, como um coral de amigos surgido no fundo enquanto canta a lindíssima “Build me up, Buttercup”.

Ela começou com a internet, mas hoje sua música está além das telas do computador e Julia já se apresenta em shows pelo EUA. Mas enquanto a carreira da menina não toma proporções internacionais, nós, aqui no Brasil, podemos vê-la pelo bom e velho (hehe) Youtube, como no vídeo abaixo, com ela cantando “Accidentally in Love”.

Sem chá, nem colher

novembro 1, 2010

por Carol

Saio do Estadão no dia 27 de outubro e penso  “caralho e agora?” A idéia era pegar um ônibus para o terminal Tiete, lá mais uma série de metrôs que me levariam à saudosa Avenida Paulista mais precisamente na concorridíssima Cásper Líbero para encontrar a minha salvadora, meu teto, a doce Amanda.

Não sei quem anda cuidando do marketing da maior cidade da América Latina, mas o caminho foi incrivelmente mais fácil, simples, rápido e barato que as minhas previsões. Estava sozinha em São Paulo pela primeira vez e continuava inteira, sem nenhuma bulinação ilegal no vagão, assalto, chuva de meteoros ou ladrões de rim. Eis a danada, Paulista!

Encontrar a Amanda após quase um ano do fatídico processo seletivo que não nos trouxe emprego, mas uma amizade bizarra, foi surpreendente, meio loucura querer me hospedar na casa de alguém que eu vi apenas duas vezes na vida, loucura  dela também em me receber.

O lance é que cada detalhe dessa viagem rápida foi um certo sentimento de “agora vai”, tinha que ir pra São Paulo sozinha, apesar da vergonha e a morte iminente, tive que buscar teto na casa da Amanda, pegar diversos metrôs lotados, carregando duas bolsas, se não fosse assim, não seria.

Ninguém me levaria à Mackenzie com a Iza (que saudade filha da puta da Iza), se eu não fosse até lá a pé. Só Deus sabe quanto eu realmente andei naquele dia, mas eu apostaria facilmente nuns mil quilômetros. (!!)

O lance legal de se tornar adulta e meio dona do seu nariz é esse: você reúne suas forças e vai. A coisa chata é que ninguém vai pegar na sua mão (talvez vá, para te assaltar), nem vai entender se você chorar. É um tanto assustador ao mesmo tempo que libertador realizar isso, não há colher de chá para quem já cozinha sozinho. As pessoas simplesmente passam por você, assim como passaram por mim na bela Paulista, correndo para seus empregos ou processos seletivos, tentando a todo custo manter a sanidade, o dinheiro e talvez o rim no lugar devido.